02 setembro 2014

NY: Um apanhado geral do que restou

NY parece se multiplicar. E quando você percebe ainda falta muita coisa para se conhecer em pouco tempo. Por isso, no nosso planejamento deixamos um dia para o apanhado geral, ou seja, aqueles lugares que acabaram não dando tempo de visitar conforme o que havíamos idealizado, por falta de tempo ou ate mesmo porque devido ao cansaço acabamos desistindo.

Desistimos naquele dia, mas não podíamos deixar NY sem conhecer alguns lugares, como: Madison Square Garden, Highline, Chelsea Market e o Flatiron Building. Por isso, no nosso quinto dia, iniciamos nossa andança no Madison Square Park, localizado entre a Broadway e 5a Ave. Embora, o nome (Madison Square Park) possa te levar a crer que esse parque está próximo ao estádio Madison Square Garden, ledo engano. Na verdade, estes são localizados em lados opostos. Achei interessante comentar isso, pois nós inicialmente havíamos pensando que o Madison Square Garden ficasse no Madison Square Park. Nada mais lógico, né? Rsrsrs

Enfim, confusões a parte, visitamos apenas o Madison Square Park, que é uma praça, super bonitinha, bem tratada, com chafariz, várias mesinhas com cadeiras a sua volta e o melhor WIFI grátis. Um excelente lugar para descansar, fazer um lanche e publicar uma selfie nas redes sociais (só para ficar na moda).

Em frente ao Madison Square Park está o Flatiron Building, um dos primeiros arranha céus de NY e atualmente é o prédio mais antigo da cidade, visto que outros da mesma época já foram demolidos.

O Flatiron Building possui esse nome, pois o terreno em que foi construído possui a forma de um ferro de passar roupa, por isso, o prédio possui esse formato um tanto curioso. Eu particularmente achava que era um prédio cinematográfico, mas é um edifício comercial; e por isso, o acesso não é permitido. Outra curiosidade é que por conta do nome do prédio, o bairro ao redor foi nomeado de Distrito Flatiron e é nesse bairro que está a Eataly (aliás, fica bem próximo ao Flatiron Building), um local super-recomendado por todos pela variedade de refeições, doces e muitas guloseimas. Como esse restaurante sempre está cheio, ficamos com preguiça de entrar, mas acredito que uma boa opção seja comprar um lanche no Eataly e sentar nas mesinhas dispostas ao redor do Flatiron Building ou até mesmo, atravessar a rua para comer no Madison Square Park.


Seguindo nosso trajeto do “apanhado geral”, fomos para o Chelsea Market, um grande mercado gourmet, cheio de restaurantes, lojas de utensílios de cozinha, lojas de temperos, doces e até decoração; que está localizado na 9th Avenue (entre 15th and 16th Streets) e funciona de segunda a sábado de 7am a 9pm e domingos de 8am a 7pm. Antigamente no lugar do Chelsea Market havia uma fábrica biscoitos Nabisco (National Biscoit Company), que produz o famoso biscoito Oreo, a qual foi desativada em 1958. No entanto, toda a estrutura da fábrica foi mantida e nas paredes ainda existem algumas placas fazendo referencia aquela época. Talvez por isso o lugar tenha seu charme próprio com tanta história.
Nós, amamos o Chelsea Market e certamente é um local que voltaremos em outras viagens a NY, pois o lugar é muito legal, com muitas opções de comidinhas diferentes e tudo com uma aparência ótima. No meio de tanta variedade, optamos por um restaurante chamado The Lobster Place, onde do lado de fora mais parece um mercado de frutos do mar, com vários tipos de peixes e mariscos expostos, mas no fundo da loja há um balcão com sopas de frutos do mar e diversas lagostas. Lógico que escolhemos as lagostas, que por sinal estavam maravilhosas.



O The Lobster Place funciona assim: as lagostas ficam expostas por tamanho e cada tamanho tem seu preço diferenciado. Basta escolher aquela que quiser que na mesma hora é preparada, ficando pronta em 15 minutos. A lagosta não possui acompanhamento e sinceramente nem precisa, pois vem com uma manteiga cremosa e limão que dão o tempero todo especial. Só de lembrar, lambo os beiços.



O único detalhe é que como se trata de um mercado, não existe uma infraestrutura de mesas e cadeiras para sentar, como uma praça de alimentação. Até existem algumas mesas espelhadas ao longo do mercado, mas são concorridíssimas. No entanto, isso não deve te desanimar, já que dentro do The Lobster Place existe uma bancada onde as pessoas se revezam para saborear seus pratos e pode acreditar, a mesa acaba sendo um mero detalhe mediante a deliciosa lagosta.

Depois de tanta comilança fomos andar pelo High Line Park, que está localizado bem ali em cima do Chelsea Market. Esse parque é um dos mais novos de NY e foi construído em cima de uma linha férrea desativada. Hoje esse parque possui uma extensão de aproximadamente 2,5Km e está a 8m de altura e atravessa 3 bairros: Meatpacking, West Chelsea e Hell's Kitchen/Clinton. Acho que a grande sacada desse parque foi a revitalização desses bairros e um espaço bem agradável para passear e descansar, visto que em todo seu percurso possuem espreguiçadeiras, bancos, jardins lindos, recheados de flores e o mais legal são as pinturas nas paredes dos prédios e galpões que cercam esse parque dando um ar descolado ao local. Para quem visitar o Chelsea Market vale a pena dar uma esticadinha no High Line Park.


Nenhum comentário:

Postar um comentário