03 janeiro 2014

Chichen Itza: Cancun

Considerada uma das sete maravilhas do mundo e também patrimônio da Unesco, Chichen Itza é um sitio arqueológico que respira cultura e historia. A visita é fantástica e bem cansativa, então reserve um dia inteiro para esse passeio, vá com roupas confortáveis, bebam bastante água e passem protetor, pois o clima é muito quente e seco.
Chichen Itza está localizada a uns 200Km de Cancun, ou seja, em torno de 2:30h de viagem de carro saindo da zona hoteleira. Há dois caminhos para se chegar, um pela estrada MX 180 com dois pedágios (um de 225 pesos e outro de 55 pesos) e outro pela estrada antiga sem pedágio. Mesmo sendo caro recomendo ir pela estrada com pedágios, pois a estrada é ótima, ampla, bem pavimentada e muito bem sinalizada. Já a estrada antiga é estreita, possuindo apenas uma via de ida e uma de volta, além disso, há trechos de terra e é por onde passam alguns ônibus e caminhões, tornando o trajeto bem mais demorado. Para piorar, essa estrada antiga não possui iluminação, tornado-a mais perigosa também. 
Nós fomos pela estrada de pedágios e voltados pela estrada antiga, pois acabamos nos perdendo um pouco na saída do parque e quando percebemos já estávamos nessa estrada antiga e a volta foi realmente muito penosa pela demora e porque no final acabamos pegando um trecho à noite. Outra dica importante é que no caminho, independente da estrada escolhida para se chegar lá não há postos de gasolina, então tenha certeza que o tanque está cheio para não passar perrengue no meio do caminho. Fique atento também a velocidade e ao uso de cinto de segurança, mesmo no banco de trás, pois a fiscalização é intensa, fomos parados umas três vezes durante o trajeto e a primeira vez, os passageiros do banco de trás estavam sem cinto e quase fomos multados por isso.
Chegando ao local é necessário pagar o estacionamento de 22 pesos e a entrada de 116 pesos por pessoa. O parque é gigantesco e é possível visitar sem guia, porém recomendo contratar um, pois o local possui muita historia e cultura e somente com uma visita guiada é possível imaginar o que se passava ali há séculos atrás. Não se preocupe em contratar antes, pois na entrada do parque existem vários guias oferecendo todo tipo de visita guiada, inclusive em todas as línguas. Os preços são bem salgados, então pechinche bem e não feche logo com o primeiro. Nós fechamos um tour “express” que durou 1h, que foi mais que suficiente. Ouvimos a historia, andamos bastante pelo local e depois ainda permanecemos por algum tempo tirando as fotos que desejássemos.

Alguns pontos que marcaram a visita foram: (1) a imponente pirâmide que esta no meio do parque e é chamada de El Castillo em Espanhol ou Kukulcán, contendo quatros escadarias, com 91 degraus cada uma, num total de 364. Somados ao degrau do topo da construção, eles representam os dias de um ano e que também possui um truque de construção! Nos equinócios do ano (dois dias que marcam o início da primavera e do outono), a luz solar projeta a sombra de uma serpente na lateral da escadaria que fica ao norte da pirâmide. Ao final dos degraus há duas cabeças de cobra, que se ligam à sombra. A ideia era dar a impressão de que o deus estava descendo do céu.
 
(2) O campo de futebol, o qual era jogado com bolas muito pesadas e deviam ser passadas em aros altos, que ainda hoje estão bem conservados. Segundo o guia o jogador que acertasse a bola, ou seja, fizesse o gol era sacrificado em um ritual após a partida.

Não deixe de bater palmas em diferentes pontos no campo de bola e próximo da pirâmide, os sons variam, mas a acústica é incrível. 
Dentro do parque há diversos vendedores com produtos artesanais muito bonitos que precisam ser pechinchados. Há também um banheiro e uma pequena lojinha que vende água e alguns biscoitos.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário